Amazônia 360º News
Portal de notícias socioambientais

-publicidade-

Em Benjamin Constant, Idam entrega 12 mil mudas de açaí

Ação inédita na região entregou 12 mil mudas de açaí para 20 famílias da comunidade São João de Veneza, em parceria com a Ciama.

A unidade local (UnLOC) do Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas (Idam), do município de Benjamin Constant (distante 1.120 km de Manaus), realizou uma ação inédita na região ao entregar 12 mil mudas de açaí para 20 famílias da comunidade São João de Veneza, em parceria com a Companhia de Desenvolvimento do Estado do Amazonas (Ciama), que doou os sacos para as produções das mudas.

O trabalho feito pela UnLOC na região visa o desenvolvimento da cultura do açaí, que, de acordo com o diretor-presidente do Idam, Daniel Borges, acontece em um momento certo para os produtores.

“Estamos dando continuidade ao que fazemos, porém com mais força, pois o Setor Primário é uma das prioridades do Governo Wilson Lima. Nunca teve tantos investimentos e sendo assim, estamos dia a dia melhorando todos os nossos resultados. A unidade local de Benjamin Constant está de parabéns pelo desempenho e por esse trabalho em prol do crescimento da cultura do açaí na região”, explicou Borges.

A UnLOC montou uma unidade demonstrativa (UD) do projeto prioritário (PP) de açaí, com 400 mudas, o que equivale a 1 hectare, para ensinar aos produtores a forma correta do plantio, como adubar, o espaçamento, a irrigação e a época correta da colheita, com a entrega de ontem, já foram repassadas 19 mil mudas de açaí para um total de 70 famílias, como explica o gerente da unidade, o técnico em agropecuária, Denis Lima.

“Estamos muito felizes pois tivemos êxito na produção e também nas parcerias, como a Ciama.  Fizemos uma visita na região, detectamos o potencial da comunidade e nos comprometemos com os produtores e agora entregamos as mudas”, explicou o gerente.

No mês de janeiro de 2022 foi inaugurado o viveiro das mudas, com o apoio técnico da Agência de Desenvolvimento Sustentável (ADS), Arnison Silva, e do engenheiro de pesca responsável da comunidade, Cláudio Silvanio.

“Construímos um viveiro rústico, funcional, coberto com palha, com madeira e um excelente custo benefício. Por isso o viveiro se chama ‘Viveiro Amazônica’. O melhor de tudo é que são mudas de qualidade, sem ataque de pragas e doenças”, encerrou Lima.

você pode gostar também