Amazônia 360º News
Portal de notícias socioambientais

-publicidade-

-publicidade-B

Projeto Sustenta e Inova é lançado no município de Altamira, no Pará

 

Por Sara R. Leal*


Em evento realizado em Altamira (Pará) na última terça-feira, 20 de setembro, foi lançado o projeto Sustenta e Inova, iniciativa que irá beneficiar 250 famílias de agricultores, 20 empreendimentos coletivos e familiares e as gestões municipais de meio ambiente e agricultura de seis municípios na região Transamazônica: Altamira, Anapu, Brasil Novo, Medicilândia, Pacajá e Senador José Porfírio.

O objetivo geral é desenvolver e implementar práticas agrícolas sustentáveis e inovadoras, além de promover o desenvolvimento das cadeias de valor na Amazônia brasileira, com foco na conservação da biodiversidade; redução do desmatamento e restauração da paisagem; mitigação e adaptação às mudanças climáticas; e redução do desmatamento.

O projeto foi apresentado para entidades e representantes da agricultura familiar e instituições parceiras da região. Secretarias de agricultura e meio ambiente dos municípios parceiros também estiveram presentes. Além da região Transamazônica, o projeto também terá atuação no Marajó e na rodovia Belém-Brasília.

Cadeias de valor e agricultura sustentável e inovadora na Amazônia brasileira

O Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam) é uma das organizações parceiras da iniciativa, que é financiada pela União Europeia e coordenada pelo Sebrae, no Pará. Outros correalizadores são o Cirad (Centro de cooperação internacional em pesquisa agronômica para o desenvolvimento), Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), e Funarbe (Fundação Arthur Bernardes). Serão investidos no projeto 4.650.000 EUR (4 milhões, seiscentos e cinquenta mil euros) – mais de 28 milhões de reais nas três regiões de atuação do projeto.

Na região Transamazônica, as atividades desenvolvidas serão: regularização ambiental, intensificação dos sistemas produtivos, agregação de valor nas cadeias produtivas, comunicação para valorização da produção familiar, fortalecimento da capacidade de gestão das organizações, monitoramento de resultados e impactos e contribuições com a formulação de programas e políticas.

Os agricultores receberão assistência técnica individual e coletiva, apoio para transição e a adoção de novas tecnologias de produção agropecuária, capacitações sobre sistemas de produção, apoio no acesso ao crédito e na organização dos processos para adequação ambiental do imóvel rural e apoio no fortalecimento das organizações locais.

“Teremos três linhas de atuação: uma é consolidar modelos de produção familiar sustentáveis que sirvam de referência para a Amazônia. Outra é auxiliar os produtores para que possam melhorar a agroindustrialização dos seus produtos, e uma terceira é utilizar o aprendizado dos quatro anos de duração do projeto para melhoria e sugestão de políticas públicas que possam contribuir com o desenvolvimento sustentável da região”, afirma a diretora adjunta de Desenvolvimento Territorial no Ipam, Lucimar Souza.

Gerente regional no Xingu do Sebrae, Priscila Oliveira explica que o intuito da parceria entre as instituições é também “melhorar a vida dos agricultores, para que ele possa produzir mais e melhor, sem precisar desmatar sua área”.
Agricultor familiar no município de Brasil Novo, Francisco Auzi Araújo ressalta a importância da assistência técnica para os produtores. “É um apoio que faz toda a diferença no dia a dia da produção. Assim, podemos melhorar nossa situação financeira e ainda preservar a mata, que é muito importante”.

Para o secretário de Meio Ambiente de Altamira, Antônio Ubirajara, “além de todo o apoio à produção, o projeto deixa um importante legado ao regularizar as propriedades, permitindo que os produtores tenham acesso ao crédito rural”. Ele complementa que os incentivos beneficiarão a economia não só da região, mas do estado.

O chefe de cooperação da delegação da União Europeia no Brasil, Stefan Agne, afirma que o Brasil possui grande potencial para o uso sustentável da floresta. “Queremos contribuir para o desenvolvimento da bioeconomia no país, gerando emprego e renda para as pessoas em concordância com o meio ambiente”, explica. Ele complementa que “a Amazônia é muito importante a nível nacional e global. Manter a floresta em pé é essencial para a agricultura e para a redução do aquecimento global”.

As equipes do Ipam, União Europeia e Sebrae também fizeram visitas a alguns agricultores e empreendimentos da região que estão participando do projeto Sustenta e Inova, como a indústria de chocolates da Coopatrans (Cooperativa Agroindustrial da Transamazônica), Cacaway.


*Jornalista no Ipam, [email protected]

você pode gostar também