Amazônia 360º News
Portal de notícias socioambientais

-publicidade-

Jovens indígenas do Amazonas são aprovados em universidade pública de São Paulo

LATAM, por meio do seu programa Avião Solidário e em parceria com a Fundação Amazônia Sustentável (FAS), transportou de forma solidária jovens de Manaus à São Paulo a pedido da União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (UNIJAVA)

Dois jovens indígenas foram aprovados no Vestibular Indígena Unificado da Unicamp-UFSCar. Ana Kelly Taleixo e Zezinho Dollis, da etnia Marubo, irão cursar Ciências Sociais e Filosofia, respectivamente, na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), em São Paulo. Eles são da aldeia Maronal, no Vale do Javari, Terra Indígena (TI) com maior número de povos isolados do país que fica a 1,1 mil km de distância da capital amazonense.

A Latam, por meio do seu programa Avião Solidário e em parceria com a Fundação Amazônia Sustentável (FAS), transportou de forma solidária os jovens de Manaus à São Paulo a pedido da União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Univaja).

Os jovens, que moravam no Vale do Javari, município de Atalaia do Norte, chegaram a São Paulo dia 15 de maio e iniciam o semestre letivo em 15 de agosto. Ao todo, 1.441 estudantes realizaram o exame, em seis cidades do país, incluindo três no estado do Amazonas: Manaus, São Gabriel da Cachoeira e Tabatinga.

Ainda em  processo de adaptação na cidade, os vestibulandos estão com grandes expectativas pelo início do curso. Zezinho Marubo, de 23 anos, conta que sair do interior da Amazônia para cursar o ensino superior é um privilégio e quer aproveitar a oportunidade para levar o conhecimento que vai adquirir para sua aldeia.

“Sempre quis fazer Filosofia para entender o lado do meu povo e do branco. É um dos momentos mais importantes da minha vida porque é um privilégio estudar na UFSCar. Muitos querem estar aqui e eu tive essa oportunidade”, comentou o universitário.

Para Rosa dos Anjos, Supervisora da Agenda Indígena da FAS, a conquista serve de inspiração não apenas para jovens do povo Marubo, mas para todos os indígenas.

“É muito gratificante ver que eles conseguiram dar mais um passo em suas vidas, pois, estamos falando de indígenas que vieram da TI Vale do Javari em busca de realizar seus objetivos. E saber que nós da FAS, com ajuda de parceiros, conseguimos contribuir para esse sonho não ser interrompido”, avalia

Kelly, de 19 anos, nunca imaginou que moraria em São Paulo e está em fase de adaptação à cidade para conquistar seu sonho. “Está sendo difícil, mas é bom”, comenta.

Para a jovem, a inserção de indígenas no ensino superior é uma grande conquista para o país.  “Tem sido uma grande vitória cada  dia saber que tem cada vez mais indígenas no ensino superior, fazendo universidade no Brasil para que ajudemos o país e para que os indígenas ajudem o próprio povo”, comenta.

A FAS trabalha para facilitar o acesso de populações que vivem distante das cidades e já instalou 31 pontos de inclusão digital indígena, sendo seis deles no Vale do Javari. Estes pontos de conectividade são utilizados principalmente para teleatendimentos de saúde, para estudantes realizarem pesquisas e assistirem a aulas remotas e comunicação entre os indígenas e ribeirinhos das comunidades do entorno.

Ao todo, são 104 estruturas de conectividade instaladas nas localidades onde a instituição atua. A implementação dessas tecnologias promove a educação, saúde, empreendedorismo, gestão territorial e ambiental.

Avião Solidário e a estratégia de Sustentabilidade do Grupo Latam

O programa Avião Solidário é um dos projetos mais importantes do Grupo Latam no contexto da sua estratégia de Sustentabilidade.

O Avião Solidário, que há mais de 10 anos beneficia a América Latina por meio da Latam Cargo, já transportou gratuitamente testes rápidos, medicamentos, máscaras, entre outros itens, beneficiando diretamente diversas localidades no Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Peru e Argentina. Com o surgimento das vacinas contra a Covid-19, o programa também se colocou à disposição das autoridades para transportá-las gratuitamente dentro destes países. Somente no Brasil já são quase 240 milhões de doses transportadas até o momento. É o avião a serviço da sociedade.

você pode gostar também