Amazônia 360º News
Portal de notícias socioambientais

-publicidade-

Gojira reúne grandes nomes do metal para leilão beneficente em prol de povos da Amazônia

Na semana passada, os franceses do Gojira anunciaram o novo single “Amazônia”, que faz parte do álbum Fortitude, que será lançado em 30 de abril via Roadrunner Records. A nova canção, que é focada na crise que afeta a Amazônia e suas comunidades indígenas, ganhou um videoclipe (AQUI) com imagens da floresta queimando e manifestações em frente ao Congresso Nacional.

A banda informou que todos os recursos provenientes da canção beneficiarão a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB),que defende os direitos ambientais e culturais das tribos indígenas da Amazônia que sofrem com desmatamento, perda de terras, trabalho forçado, violência e assédio.

Para ampliar essa ação, o Gojira lançou uma campanha de arrecadação de dinheiro para a APIB chamada “Operation Amazonia” e promove um leilão virtual em prol da organização. Trabalhando com a plataforma digital social Propeller, o grupo reuniu diversos itens de renomados músicos do universo do metal para serem leiloados.

Uma guitarra autografada por Joseph Duplantier, um baixo assinado por Robert Trujillo, do Metallica, um capacete do Slayer em edição limitada, um chimbal exclusivo de Eloy Casagrande e guitarra autografada por Max Cavlera são alguns dos produtos a serem leiloados. Confira AQUI.

Donate to win : https://bit.ly/3dxCE0F Auctions: https://propeller.la/gojira #amazonia

Em um novo vídeo de três minutos, Duplantier explica a iniciativa de captação de recursos para a causa amazônica. “A comunidade musical pode ser poderosa quando unida a algo significativo como esse. Tantos amigos, grandes artistas e bandas aderiram ao movimento sem hesitar doando instrumentos. Este é um esforço coletivo de muitas pessoas ao nosso redor”, diz o músico. “Nós entendemos que este é o melhor caminho para proteger a floresta e empoderar, colaborar e nos juntar com as tribos indígenas. São elas que podem proteger a floresta, porque conhecem a floresta, conhecem as plantas, as árvores e sabem das prioridades e emergências locais”, completou.

você pode gostar também